#33 Aceite este elogio, ele é pra você

Hoje eu vou contar uma história. Eu poderia fantasiar e dizer que ela aconteceu com uma amiga-da-tia-da-vizinha-da-minha-prima, mas a verdade é que ela aconteceu comigo. E eu acredito que, pelo menos uma vez na vida, ela já tenha acontecido com vocês também.

Então, vamos lá.

Eu sempre fui uma pessoa dedicada. Desde o prézinho até os meus últimos dias de faculdade, eu sempre me esforcei para ter um bom desempenho e entregar bons resultados, não importava qual fosse a tarefa. Em 99,9% das vezes, eu conseguia atingir o meu objetivo. Eu fazia um bom trabalho. Eu tirava uma boa nota. E eu era elogiada.

E aí, depois de todo o esforço e a dedicação que haviam me levado ao ponto em que os meus resultados recebiam um elogio, eu não entendia o que eu estava ouvindo. Eu achava que eu não merecia. Eu só conseguia pensar: gente, mas nem tava tão bom assim!

Por mais que eu recebesse feedbacks maravilhosos, eu simplesmente não aceitava aquilo como um retorno pelo meu trabalho. Como assim, tudo o que estavam falando era sobre o que eu tinha feito? Calma, gente! Que exagero!

michael-henry-389395-unsplash
Photo by Michael Henry on Unsplash

Acho que deu pra entender, né?

Eu tinha – e no momento luto para deixar de ter – uma grande dificuldade de receber elogios. Culpa da nossa velha amiga insegurança, sei bem. Porque quando ela não consegue nos impedir de começar a fazer algo, ela fica lá de canto, quietinha, só esperando o momento de reaparecer. Nem que seja pra voltar depois que tudo está feito, lindo e acabado, só pra nos fazer duvidar de todos os – merecidos – elogios que estamos recebendo.

Em uma passagem do livro O Ano em Que Disse Sim, da Shonda Rhimes, ela conta sobre a ocasião em que foi a uma festa onde seriam premiadas grandes mulheres da TV. No momento em que o mestre de cerimônias listava as realizações que tornavam cada uma daquelas mulheres dignas de receber a premiação, todas – todinhas, sem exceção – se comportaram de uma maneira que demonstrava desconforto com o elogio.

Segundo Shonda, as reações eram basicamente três: fazer sinal de não com a cabeça e virar o rosto, como se tudo o que ela tivesse feito não fosse nada demais; abaixar a cabeça com uma expressão envergonhada, como se suplicando para que falassem logo sobre outra pessoa; ou simplesmente gargalhar, como se não estivesse acreditando no que estava acontecendo.

IMG_3748
O livro é este aqui! (photo by Lud Altoé)

E mesmo sem ter nenhuma experiência em premiações hollywoodianas, eu consegui me identificar perfeitamente com a situação. E talvez você também se identifique. Na verdade, a própria Shonda menciona o episódio pois ela mesma era uma das premiadas que teve dificuldade de simplesmente aceitar os elogios de cabeça erguida, sem fazer toda uma cena pra mostrar pro mundo que gente, não era nada demais ter feito tudo aquilo.

E longe de mim querer ser colocada no mesmo patamar das grandes mulheres da TV norte-americana, mas acho que deu pra notar que nós temos muito mais em comum do que imaginamos, não é? E o que a autora extraiu de toda essa história foi a percepção do quanto era difícil, não só pra ela mas para todo mundo, dizer sim para um elogio. E aí, como o próprio título do livro já denuncia – O Ano em Que Disse Sim, lembram? -, ela decidiu que, a partir daquele momento, passaria a aceitar os cumprimentos pelas suas realizações, admitindo que sim, era incrível mesmo, e ela que tinha feito.

Nas palavras da própria,

O que acontece quando me dou permissão para apenas ouvir os elogios, sem pedir desculpas ou dispensá-los ou negá-los? Começo a gostar dos elogios. Os elogios significam algo para mim. E, o mais importante: o fato de que alguém parou e tomou tempo para me elogiar significa algo para mim. Ninguém tem a obrigação de elogiar você. As pessoas fazem isso por bondade. Fazem porque querem. Fazem porque acreditam no elogio que oferecem. Então, quando você nega o elogio de alguém, você está dizendo à pessoa que ela está errada. Está dizendo que ela desperdiçou tempo. Está questionando o gosto da pessoa e o bom senso dela. Você a está insultando. Se alguém quer elogiar você, deixe.

Porque né, convenhamos, minha gente. Se a pessoa se deu ao trabalho de dizer o quanto gostou do que você fez…é provável que ela tenha gostado, mesmo. E que seja mesmo super bacana, ótimo, incrível. E que você mereça o elogio.

Então, em vez de duvidar da sua capacidade e criar mil e uma teorias do estilo aposto que estão dizendo isso só para eu não me sentir mal, aceite.

Aceite que você foi bem.

Aceite que você fez um ótimo trabalho.

Ninguém fala isso à toa, ou só para agradar. Se você está recebendo um elogio, aceite.

Mesmo sem nos conheceremos ainda, eu tenho certeza de que você merece.

Nenhum pensamento

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s