#85 Retrospectiva 2018: os melhores posts do ano!

Não sei como tem sido os dias de vocês aí do outro lado mas, por aqui, o clima já é de retrospectiva!

Embora ainda faltem alguns dias para 2018 terminar, acho muito gostoso tirar um tempinho para olhar para trás e relembrar todas as experiências que tivemos a oportunidade de viver no ano que se passou. Quanta coisa incrível pode acontecer em 365 dias!

Para encerrar esse ciclo com chave de ouro, resolvi reunir aqueles que considero os melhores posts publicados no Parece Óbvio em 2018.

Reler tudo o que escrevi para fazer essa seleção foi uma delícia – e eu espero que vocês curtam tanto quanto eu essa retrospectiva!

Chegando no Parece Óbvio agora? Para mais conteúdo sobre minimalismo e desenvolvimento pessoal, siga-nos no Instagram e curta a nossa página no Facebook!

#11 Pequenos Passos

Neste post, refleti sobre como grandes mudanças de vida podem começar de maneira pequena – e sobre como é preciso ter paciência para compreender isso:

“Entre as tantas lições que aprendi e agora levo comigo, está o fato de que toda mudança de vida, da mais simples à mais complicada, começa sempre com um primeiro – e pequeno – passo. Abandonar velhos hábitos e cultivar novos leva tempo. Nada acontece do dia para a noite. Ninguém corre uma maratona, perde 10 quilos ou se torna minimalista em um mês. Verdadeiras transformações acontecem aos poucos – e dependem das nossas ações para acontecer.”

Para ler o post #11 Pequenos Passos, clique aqui.

#16 Feito é melhor que perfeito

O título desse post é um lema pra vida! Nele, escrevi sobre como devemos deixar o medo de lado e começar a fazer o que temos vontade, pois é só com a prática que nos tornamos melhores:

“Imaginem só se, nos primeiros passinhos desequilibrados, desistíssemos de aprender a andar. Ou se, na dificuldade de decifrar algumas sílabas mais complicadas, resolvêssemos desistir de ler. Quantas oportunidades perderíamos na vida se desde cedo agíssemos como o nosso eu adulto, que simplesmente desiste por pensar que não é bom o bastante?”

Para ler o post #16 Feito é melhor que perfeito, clique aqui.

#18 O que você fez hoje

Neste post, propus um exercício de reflexão: será que as nossas ações diárias estão nos deixando mais próximos ou mais distantes dos nossos objetivos? Super válido para essa época do ano!

“Para mim, refletir desta forma foi revelador. Só depois de colocar no papel eu pude perceber o quanto dos meus dias estavam sendo desperdiçados em atividades que não só não me levavam a lugar algum como me afastavam de onde eu desejo chegar.”

Para ler o post #18 O que você fez hoje, clique aqui.

#21 O que aprendi ficando um mês sem redes sociais

O desafio de viver um mês sem redes sociais foi o primeiro que encarei no abandonado ano do sem (kkk), e foi extremamente revelador:

“É difícil admitir, mas eu era o principal problema. Eu não sabia mais ficar sozinha com os meus próprios pensamentos – a cada brecha que se abria no meu dia, eu seguia sempre o mesmo roteiro e me jogava no feed de notícias sem nem pensar duas vezes. E como essas ferramentas são desenhadas para que nós fiquemos o máximo de tempo possível vidrados na telinha, era por lá mesmo que eu ficava.”

Para ler o post #21 O que aprendi ficando um mês sem redes sociais, clique aqui.

#35 Seja o seu maior fã

Um daqueles posts em que abri o meu coração e falei sobre a dificuldade que eu tinha – e que em certa medida ainda tenho – de me mostrar empolgada com as coisas que estou fazendo:

“Como se ninguém nunca houvesse falhado ou cometido um erro que colocou por água abaixo os seus planos, eu optava por silenciar os meus desejos por puro medo. Medo do que os outros iam pensar de mim caso eu falhasse. Lidar com a minha frustração já seria problema o suficiente; que dirá ter de explicar isso para todo mundo!”

Para ler o post #35 Seja o seu maior fã, clique aqui.

#36 Redefinindo o que é sucesso

Neste post, refleti sobre como eu nunca havia questionado o que significava ter sucesso para mim – e sobre como a minha visão sobre esse assunto mudou depois que eu me permiti pensar nela com mais atenção:

“Eu costumava associar o sucesso – equivocadamente, agora eu sei – ao aspecto financeiro da vida de uma pessoa. Ter sucesso era acumular conquistas profissionais que garantissem uma renda polpuda e um bom padrão de vida; era ganhar o suficiente para poder fazer tudo o que se tivesse vontade sem ter de se preocupar com o fim do mês ou o cheque especial; era, em resumo, ter dinheiro. E só.”

Para ler o post #36 Redefinindo o que é sucesso, clique aqui.



E aí, o que acharam das minhas escolhas? Na minha opinião, esses foram alguns dos melhores posts do ano aqui no Parece Óbvio!

Na semana que vem, libero a segunda parte dessa retrospectiva!



compartilhe




posts relacionados



comentários


Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *