#52 PÓ Indica: ‘Eu não sou um homem fácil’, um filme que todo mundo deveria assistir

Entre tantos temas que me interessam e costumam render posts aqui pro Parece Óbvio, eu ainda não tive tempo de me dedicar o suficiente a um assunto que eu acho fundamental refletirmos sobre, sejamos nós mulheres ou homens: sim, estou falando do feminismo.

E eu só me dei conta do ineditismo dessa pauta por aqui depois de ter escolhido o #PÓIndica dessa semana que, como o nosso título já entrega, é sobre o filme ‘Eu não sou um homem fácil‘, produção da Netflix lançada este ano que é daquelas coisas que a gente assiste e só consegue ficar com a sensação de que todo mundo precisa ver isso também. Juro.

MV5BYzM3OGM1OGUtMzE0Yi00OGM2LWFlNjItMGIwNmE4ODhkY2E2XkEyXkFqcGdeQXVyMTMxODk2OTU@._V1_

apenas ASSISTAM.

E como eu sei que não sou nenhuma autoridade para que vocês saiam seguindo as minhas dicas sem nem mesmo saber o motivo, explico: o filme conta a história de um típico machistão que sofre um acidente e, ao acordar, encontra um mundo virado do avesso, no qual os papéis socialmente atribuídos a homens e mulheres foram completamente trocados.

Neste mundo ao contrário em que acorda o protagonista, os homens são os sexo frágil; são eles as figuras sensíveis dos relacionamentos, que são pressionados a manter seus corpos sempre depilados e sofrem assédio nas ruas. Já as mulheres, por sua vez, são os sujeitos fortes, que ocupam posições de liderança e fazem tudo aquilo que nós, mulheres, já estamos carecas de ver o público masculino fazendo todos os dias.

E todas essas situações – que são apenas algumas entre as tantas que acontecem durante o filme – se desenrolam de uma forma tão natural que eu acredito que até quem costuma torcer o nariz para o feminismo vai se ver obrigado a refletir. Porque ao construir a narrativa invertendo os papéis, sendo os homens a ocupar a posição que as mulheres costumam ocupar na vida real, é impossível não se dar conta do quão absurda é essa lógica machista que permeia todas as nossas relações – com parceiros, familiares, amigos, colegas de trabalho e até mesmo desconhecidos.

E embora eu não seja uma grande conhecedora da sétima arte, arrisco dizer que o grande mérito de ‘Eu não sou um homem fácil é trazer à tona uma questão tão séria quanto o machismo de uma forma leve, em formato de comédia romântica, acessível tanto para quem entende e apoia a causa quanto para quem nunca ouviu falar sobre o feminismo.

Apenas assistam! E depois me contem o que acharam. 🙂



compartilhe




posts relacionados



comentários


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *