#26 Antes de ir às compras, leia este post

O texto de hoje também poderia se chamar “coisas que eu deveria ter pensado antes de comprar aquela sandália“. 

Se você, assim como eu, já se pegou pensando “onde eu estava com a cabeça quando fiz essa compra?“, tenho uma boa notícia: isso não precisa mais acontecer.

E não, eu não estou aqui para tentar te convencer a ficar X dias sem compras. Pelo contrário! Hoje o objetivo é apresentar algumas ferramentas que podem ajudar você a comprar de forma mais intencional e consciente.

Eu achava que aquilo que eu sentia era felicidade

Um dos principais insights que eu tive desde que entrei em contato com o conceito de minimalismo pela primeira vez, foi o fato de que grande parte das minhas compras era motivada por uma necessidade de me sentir satisfeita. Não era necessidade do objeto em si; levar para casa as coisas de que eu havia gostado em uma loja – e até as que eu não havia gostado tanto, mas estavam baratas – era algo que me enchia de contentamento. Eu me sentia feliz. Melhor: eu achava que aquilo que eu sentia era felicidade.

ethan-hoover-235152-unsplash

Photo by Ethan Hoover on Unsplash

Quando eu comecei a me questionar sobre esses sentimentos, percebi o quanto a satisfação que eu sentia ao comprar algo era momentânea. Aquilo que eu chamava de felicidade era muito passageiro. Muitas vezes, não me acompanhava nem mesmo no caminho do shopping até a minha casa.

Eu comprava para me sentir feliz, mas logo aquela satisfação desaparecia e dava lugar a uma nova frustração

E aí eu consegui chegar à conclusão – que agora me parece óbvia, mas na época não era – de que eu estava presa em um esquema que eu pensava que me fazia bem e que , na verdade, só fazia com que eu me sentisse cada vez pior. Eu comprava para me sentir feliz, mas logo aquela satisfação desaparecia e dava lugar a uma nova frustração – afinal, ao escolher comprar algo, eu automaticamente renunciava diversas outras possibilidades.

Sabem aquele papo de que fazer compras é a melhor das terapias? Pois então. Hoje eu consigo entender que não existe nada mais mentiroso do que isso. E é claro que, por mais que agora eu tenha plena consciência de que a minha felicidade não mora dentro de uma sacola de compras, nem sempre eu consigo agir de acordo. Mesmo sabendo que é para o bem, mudar nunca é fácil.

Nestes momentos em que as nossas ações ainda não conseguem acompanhar os nossos pensamentos,  ter em mente um roteiro que nos faça refletir antes de realizar qualquer compra pode ser uma ótima ferramenta. Essas perguntas não são de minha autoria, mas eu tenho elas salvas no meu celular e (quase) sempre leio quando o espírito das compras tenta se apossar de mim. É incrível o quanto elas podem ser úteis!

Anotem aí: antes de comprar qualquer coisa, pergunte-se…

1 – Eu quero isso? 

2 – Eu preciso disso ou estou sendo tentado a agir por impulso? Para responder a esta questão, também vale pensar: eu entrei na loja com o objetivo de comprar isso ou tive a ideia depois que cheguei aqui? Eu compraria este item se ele estivesse no preço cheio ou estou comprando somente porque está na promoção? 

3 – Eu posso pagar por isso? Ou, em outras palavras: eu tenho o dinheiro para pagar por isso à vista ou só vou conseguir comprar se parcelar em diversas vezes? Fazer esta compra é realmente uma prioridade no meu orçamento? Não existe mais nada que eu queira e esteja deixando de fazer por não ter recursos?

4 – Eu devo comprar isso? Respondendo às perguntas anteriores, você provavelmente já saberá a resposta.

Eu quero, eu preciso, eu posso, eu devo? São só quatro perguntinhas  que você com certeza quer, precisa, pode e deve adotar para comprar de maneira mais intencional e consciente.

E vocês, tem alguma outra tática para refletir antes de ir às compras? Contem aí nos comentários, vamos compartilhar nossas experiências! 🙂

 



compartilhe




posts relacionados



comentários


0 Comments

  1. Pingback: Inspirações da semana [38] | Uma jornada interior

    • Oi, meninas!! Muito obrigada pela lembrança! Logo vou começar a compartilhar links que me inspiram também, é uma ótima forma de espalhar o que a internet tem de bom! <3

  2. Andreia Martins

    Olá. Descobri este blog hoje,e estou a gostar muito do que estou a ler. Comecei a ler sobre minimalismo à pouco tempo,estou já a aplicar algumas mudanças na minha vida e estou a adorar! Por exemplo ontem,fui fazer uma “limpeza” ao meu roupeiro. Eu detesto camisolas de gola subida,detesto,acho que não me ficam bem,não me sinto confortável. Adivinhem quantas tinhas lá? 10. Isso mesmo,10. Uma de cada cor. Eu pensei: não devia estar em mim quando comprei,mas lá está,ou era barata,ou achava que precisava,ou,ou,ou…… Dei tudo para uma amiga que adora camisolas assim. Agora só compro o que realmente preciso,e tenho uma lei: quando entra uma coisa nova lá em casa,outra antiga tem de sair!
    E outra coisa que li um dia destes no facebook num grupo minimalista: Quando for comprar alguma coisa pense assim: Eu gostava de receber o valor desta peça em dinheiro ou queria mesmo a peça? E se escolher a peça,então compre. 🙂

    • Oi, Andreia! Tem coisas que a gente olha e só consegue pensar “onde eu estava com a cabeça quando comprei isso?”, né? Eu também adoto a regra do “compra um, sai um” lá em casa, é uma ótima maneira de evitar acumulação! 😉

  3. Pingback: #59 Minimalismo e a “mágica” de ter mais com menos – Parece Óbvio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *